Conversa às margens do Estige

Post do blog Dizendo a Mente http://dizendoamente.blogspot.pt/

Quem me dera viajar além do horizonte,
às margens do rio Estige poder chegar,
pagar a portagem ao sinistro Caronte,
e ouvi-lo espantado me interrogar:

"A muito te espero, estás atrasado!
O que fazias para teres demorado?
Esta espera toda não é do meu agrado,
um pouco mais e te teria abandonado!"

"Não foi minha culpa, eu era prisioneiro.
Porque haveria eu, ó nobre barqueiro,
de querer entre os homens fixar moradia,
em um mundo cheio de dor e agonia?"

"Sobe à barca e passemos para o outro lado,
nos Campos Elísios tens lugar reservado,
por certo lá não passarás despercebido,
pois por todo teu tormento és tu conhecido."